Conheça os melhores destinos para curtir o México em família

 

Para algumas famílias, férias significam pernas para o ar. Para outras, é a oportunidade de mergulhar fundo em uma cultura totalmente diferente. Para todas, o México certamente tem algo a oferecer.

Poucos países no mundo podem se definir tão diversificado quanto o México. A federação formada por 31 estados e o distrito federal tem ao seu favor o mar do Caribe, o oceano Pacífico e seu pôr do sol e um interior cheio de história e cultura – o país é berço das civilizações maia e asteca, que figuram entre os povos mais evoluídos e complexos de todo o planeta.

São os atributos naturais e culturais que pautam os principais destinos turísticos do país e que certamente vão animar famílias que querem unir os momentos de sossego a experiências singulares durante as férias.

O povo mexicano é um atrativo à parte: alegre, cordial e educado, sempre disposto a resolver qualquer imprevisto e agradar o turista. Esse povo, aliás, é responsável por criar os deliciosos sabores já conhecidos pelos brasileiros – inclusive crianças -, que aprenderam a apreciar a culinária mexicana básica por meio dos tacos, tortillas, nachos, guacamole e outros petiscos.

Mas a comida do México pode proporcionar experiências bem mais intensas e é tão rica que foi declarada patrimônio cultural inatingível pela Unesco. Preparações de sabores complexos, à base de feijões, milhos, pimentas, chocolates e baunilha, certamente vão agradar os pequenos e os adultos.

Os destinos são muitos. Você pode optar por Cancún, com seu mar de um tom de azul inacreditável e uma infraestrutura de hospedagem para atender as expectativas mais exigentes, ou um destino com mais história, como as ruínas maias e astecas, ou ainda vivenciar as muitas festas populares cheias de cor e de sabor.

Das pirâmides de Teotihuacán aos mergulhos de Cancún, do nado com golfinhos de Nayarit à atmosfera colorida e genuína de Oaxaca, conheça os principais destinos mexicanos para curtir em família.

Caribe
A península de Yucatán tem a combinação perfeita de um belo mar, areia clara e um bom hotel – Cancún, Playa e Riviera Maya são seus representantes mais populares. A rede hoteleira está preparada para atender hóspedes de todas as idades, com serviços de babá e de recreação durante todo o dia. Mas a região tem muito mais a oferecer: Tulum e Chichen Itzá abrigam ruínas da civilização maia e podem fazer parte de um roteiro cultural riquíssimo para toda da família. Parques de diversão dão o tom de aventura ao passeio, com nado com golfinhos e tubarões, grandes tirolesas e excelentes mergulhos nos cenotes – as típicas grutas banhadas por águas cristalinas.

Riviera Nayarit
Banhado pelo oceano Pacífico, o estado de Nayarit apresenta um mix bastante eclético de possibilidades: programas de praia e de montanha se misturam num roteiro que pode englobar observação de baleias jubarte, desova de tartarugas marinhas, nado com golfinhos e passeio num mangue de crocodilos. A região ainda abriga uma das tribos indígenas mais autênticas do México, abertas à visitação. Os Huicholes sofreram pouquíssima influência espanhola e ainda mantêm costumes da era pré-colombiana.

Los Cabos
Se esta região da Baja Califórnia ganhou o título de “aquário do mundo” de Jacques Cousteau, certamente as principais atrações são pautadas pela riqueza submarina. O
Parque Marinho Nacional Cabo Pulmo é o lar de 300 espécies de peixes tropicais, mais de dois mil tipos de invertebrados e abriga o único sistema de corais rígidos da América do Norte. Já na Baía de La Paz, a atração é nadar com os tubarões-baleia, que chegam por essas águas de janeiro a junho. O centro histórico de San José del Cabo é o ponto de partida para conhecer mais sobre o período em que os jesuítas permaneceram na região, a fim de catequizar os locais. Erguido em 1730, ainda conserva a charmosa praça, o casario e a igreja original.

Mazatlán
Chamada de “pérola do Pacífico”, Mazatlán é um destino frequentemente lembrado por famílias que desejam curtir belas praias sem o burburinho de outras regiões do México. O Parque Huana Coa, a 40 minutos da cidade, é dedicado a esportes de aventura, com trilhas que devem ser atravessadas por grandes tirolesas e jipes e certamente trarão fortes emoções a todos os familiares. Baleias, golfinhos e leões marinhos também são habitués da região e criam belos momentos de observação. O aquário de Mazatlán é considerado um dos mais completos de toda a América Latina.

Cidade do México
Poucas famílias pensam na capital federal ao planejar as férias no México. No entanto, a cidade está na rota da maioria dos voos que sai do Brasil, servindo de base para conexões a outras cidades. Por que não ficar uns dias por lá? É a chance para aproveitar uma das mais efervescentes e dinâmicas metrópoles do mundo. Filhos mais velhos certamente já devem ter ouvido falar de Frida Kahlo e Diego Rivera e vão adorar conhecer o museu construído na antiga casa azul, que pertenceu ao casal. Próximo à capital estão as pirâmides de Teotihuacán, um cenário de tirar o fôlego até mesmo daquelas crianças que torcem o nariz para as aulas de história.

Oaxaca
As construções coloridas da cidade de Oaxaca, que fica no estado de mesmo nome, respiram cultura. Não é raro topar com apresentações típicas no meio da rua ou presenciar uma sessão de fogos de artifício na praça central. As festas populares, a gastronomia local e as ruínas remontam aos tempos pré-colombianos, quando os povos zapotecas habitavam o local. A cidade ainda é famosa pelo alimento mais unânime entre as crianças: o chocolate, consumido pelos locais até mesmo no café da manhã. As caveiras, fantasias e altares coloridos montados para a festa dos mortos, nos primeiros dias de novembro, certamente aguçarão a imaginação de pais e filhos.

 

Fonte: MSL Group

Flytour Viagens reúne equipe visando 50% em crescimento

 

A manhã do domingo da Flytour Viagens esteve reservada para seu encontro anual de vendas. Um evento de gestão da operadora que, de alguma forma, reflete na maneira como seus funcionários irão atender seus clientes, os agentes de viagens. “Há quatro anos nós fizemos esse encontro com 50 pessoas”, conta o presidente da Flytour Viagens, Michael Barkoczy. Hoje, foram 150 presentes dentre diretores, gerentes, executivos e profissionais das áreas comercial, Vendas, atendimento e operacional.

“São pessoas que vêm para a Flytour Viagens e não vão embora, ficam com a gente”, comenta. Compartilhar os resultados com seus colaboradores é parte da política da Flytour. No encontro, a operadora expôs aos seus empregados números de vendas, receita e lucro, por exemplo. “A gente divide isso com o funcionário, achamos que é importante para ele.”

Um posicionamento que, para Barkoczy, cria uma relação mais clara entre as partes da empresa. “Com essa cultura bem estabelecida, o funcionário e o empregador sabem exatamente como se portar em dados momentos”, afirma, prometendo uma novidade aos seus funcionários: premiações em dinheiro no final do ano diante de metas cumpridas.

Jhonatan Soares

O anfitrião do encontro, Michael Barkoczy, presidente da Flytour Viagens

O anfitrião do encontro, Michael Barkoczy, presidente da Flytour Viagens


 
NO VESTIÁRIO
Claro que a performance da empresa esteve em pauta. Para explicar a importância de um encontro como este, Michael Barkoczy utiliza a imagem de uma partida de futebol. “Eu gosto de falar que nós fizemos o primeiro tempo, acabou agora os 45 minutos. É o intervalo e o time está ganhnando o jogo, mas temos que nos preparar para o segundo tempo.”Essa vitória momentânea se traduz em um primeiro semestre em que a Flytour Viagens foi “muito bem”. “Alcançamos crescimento de 50% em relação ao ano passado. A gente precisa se preparar para o segundo semesntre, que sempre é melhor em números”, relata.A expectativa é manter os 50% sobre 2016 até o final do ano – projeção atualizada já que, segundo o presidente, 2017 iniciou com 30% de crescimento como meta. Para isso, o presidente conta com o Hiper Feirão da Flytour, que terá edições em Campinas e Santos.

“Esperamos receber 80 mil pessoas nos dois eventos”, aposta, comentando pontos em que a Flytour se diferencia de seus adversários. “Estamos muito próximos dos fornecedores, o que ajuda com os preços bons. Estamos próximos dos agentes de viagens, eles sabem que podem contar conosco a qualquer horário. Sou contra termos bases fixas, temos que estar na rua, em visitas aos agentes.”

PÓS 2016
“Voltamos à normalidade de uma operadora”, conta Barkoczy ao abordar a origem das vendas da empresa. A “normalidade” citada pelo executivo é a manutenção da balança 60% nacional e 40% internacional. “Não deixamos de bater metas no ano passado, mas foi o nacional que cobriu. O nacional foi tão forte que supriu o que o internacional não conseguiu fazer”. Segundo ele, em dados momentos (como em janeiro de 2016), chegou-se a registrar um share de 90% nacional e 10% internacional.

Fonte: Renato Machado, http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/operadoras/2017/06/flytour-viagens-reune-equipe-visando-50-em-crescimento_147464.html?lista

Peru é tema de capacitações da Flot até o fim deste mês

 

Foram tratadas cidades desde Lima até Arequipa

Até o fim do mês de junho, o Peru é foco de capacitações profissionais promovidas pela Flot Operadora, em parceria com a Promperú (Comissão de Promoção do Peru para a Exportação e o Turismo) e o Escritório Comercial do Peru no Brasil. Os treinamentos são desenvolvidos por Milagros Ochoa, diretora de Turismo do Escritório Comercial do Peru no Brasil, e Abel Ferreira, da Flot.

Os agentes tem acesso durante o treinamento a dados gerais, informações úteis, dicas de roteiros e curiosidades do país e suas principais cidades, tais como Lima, Paracas, Nazca, Cusco, Vale Sagrado, Machu Picchu, Puno, Arequipa e outras.

Já participaram das ações os agentes de viagens das cidades de Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Presidente Prudente (SP), Novo Hamburgo (RS), Santa Cruz do Sul (RS) e São José dos Campos (SP). Na próxima semana, São José do Rio Preto (SP) (27/06), Santo André (SP) (28/06) e Juiz de Fora (MG) (29/06) receberão a capacitação. É esperado que no total, sejam 600 agentes de viagens contemplados pelas ações e especialistas no destino turístico.

O frio que aquece o turismo brasileiro

Turistas, preparem os agasalhos! O inverno chegou e, com ele, as cidades frias do Brasil estão de braços abertos para aquecerem a economia e receberem visitantes que buscam clima ameno, boa gastronomia e eventos culturais típicos da época. A Agência de Notícias do Turismo preparou destinos que vão de neve (isso mesmo, neve no Brasil) às baixas temperaturas em pleno nordeste.

São Joaquim (SC) – No inverno, quando os termômetros marcam -10 graus, chega a nevar na cidade catarinense. Por lá, cachoeiras e campos ficam congelados e o visitante que gosta do clima frio aproveita para curtir as atrações, que incluem visita a Vinícola Villa Francioni, a serra do Rio do Rastro e ao Snow Valley, local repleto de diversões radicais. Por lá, o turista pode participar do Festival de Inverno e da Cavalgada da Nevasca, que acontecem nos meses de junho e julho.


Crédito: Embratur

Domingos Martins (ES) – Música e friozinho fazem parte da programação turística de Domingos Martins. Localizada em uma região serrana, onde as temperaturas giram em torno de 12 graus e a neblina cobre a cidade. No inverno, essas temperaturas tendem a diminuir mais ainda e combinar com o charme da arquitetura local e o passeio de trem. O XXIV Festival de Inverno de Música Erudita e Popular, maior evento de música clássica do estado, realizado em julho na cidade, embala os turistas que estiverem na cidade nesta época do ano.


Crédito: Secretaria de Turismo do Espírito Santo

Santo Antônio do Pinhal (SP) – Por estar a 1.080 metros de altitude e ser considerado um dos 15 municípios paulistas de estâncias climáticas, Santo Antônio do Pinhal é destino frio o ano todo. Mas, no inverno, frentes frias fazem os termômetros marcarem até 6 graus, além de formarem geadas que embelezam a paisagem da cidade. O clima das montanhas permite ao turista escolher entre relaxar ou aproveitar uma aventura. Do Pico Agudo, é possível apreciar vista panorâmica da Serra da Mantiqueira ou praticar voo livre.


Crédito: Prefeitura

Guaramiranga (CE) –– Mesmo estando no Nordeste, região típica de calor, a menor cidade do Ceará é fria. Guaramiranga é considerada a “suíça cearense” e mantém temperaturas de 12 graus durante inverno. O município é conhecido pela variedade de flores e pela preservação ambiental, além das características históricas percebidas em suas construções. Há, por exemplo, uma pousada que já foi mosteiro e pode ser visitada por quem não está hospedado. Os cantos gregorianos são tradição, entoados nas manhãs do antigo prédio religioso.


Crédito: Prefeitura

Gravatá (PE) – Em pleno agreste pernambucano está a cidade que marca 10 graus no termômetro durante o outono e inverno. Gravatá faz parte do Circuito do Frio de Pernambuco e atrai turistas por ser diversa e oferecer queijos, vinhos e chocolate quente, sem deixar de lado as tradições nordestinas no cardápio, como a famosa buchada de bode. O folclore regional também é lembrado em Gravatá e pode ser visto na produção de móveis rústicos e pequenos objetos de decoração. Quem busca atrativos naturais encontrará uma cidade cercada por matas, piscinas naturais e cachoeiras.


Crédito: Américo Nunes

As cidades de inverno citadas no roteiro fazem para do Mapa do Turismo Brasileiro, ferramenta criada pelo MTur, em parceria com estados e municípios, para desenvolver políticas públicas de turismo em diversas regiões do país. O Mapa é um instrumento instituído pelo Programa de Regionalização do Turismo  e está acessível à população. Atualmente, conta com 2.175 municípios, divididos em 291 regiões turísticas.

 

FONTE: Mayara Nunes, http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/7905-o-frio-que-aquece-o-turismo-brasileiro.html