Turismo é geração de empregos e crescimento econômico

Por Marcos Lucas, agente de viagens e presidente da Aviesp

Turismo gera empregos. É praticamente impossível dizer a quantidade de vezes que esta frase foi pronunciada no Brasil na última década. Por ter sido banalizada por autoridades e políticos, deixou de ser uma forma de mostrar a força que a indústria de viagens realmente tem. Nos últimos anos diversos setores se beneficiaram com benesses e incentivos governamentais. Podemos citar a indústria automotiva, o agronegócio e a construção civil como exemplos. E por que o Turismo não? Falta de força política em um passado recente e, principalmente, falta de dados convincentes que mostrem o tamanho e o potencial do setor.

Hoje já há uma boa articulação de parlamentares ligados ao Turismo em Brasília. Além disso, o próprio Governo Federal, já deixou claro o quanto acredita no setor, que já entrou na sua agenda política e econômica. E os dados? Agora temos também. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) fez uma pesquisa inédita e ampla sobre o mercado do turismo no Brasil.

Os resultados podem ter surpreendido muita gente. No entanto, nós que atuamos no Turismo temos a real ideia de como o setor é capaz de contribuir para o crescimento da economia do País. Os dados da CNC mostram que nos primeiros sete meses de 2019, o faturamento do setor foi de R$ 136,7 bilhões. Mais do que isso, é o maior número registrado nos últimos quatro anos. Em um cenário de evolução, o Turismo faturou R$ 20,4 bilhões em julho e teve um saldo positivo de 25 mil empregos gerados nos últimos 12 meses.

Este resultado se deve ao desempenho de alguns segmentos, como hospedagem e alimentação e cultura e lazer. A pesquisa mostra ainda que entre julho de 2018 e julho de 2019, todas as regiões do país tiveram saldo positivo de empregos. Mesmo em um cenário que podemos chamar de recessivo, foram criadas 12 mil novas vagas no Sudeste; 6,1 mil vagas no Centro-Oeste; 3,3 mil vagas no Sul; 2,3 mil vagas no Nordeste e 1,2 mil vagas no Norte. Não é pouca coisa. Isso porque é praticamente um crescimento orgânico.

Isso demonstra o tamanho do potencial do Turismo no País. Mas podemos demonstrar o exemplo do estado de São Paulo, que com um incentivo mínimo pôde ter um resultado excepcional. O governo do estado diminuiu a alíquota do ICMS sobre o Querosene de Aviação contanto que as companhias aéreas inserissem mais voos. O resultado: somente no primeiro semestre deste ano o Turismo gerou 6,5 mil vagas de empregos no estado; ganhou 700 novos voos; e registrou um crescimento de 7,7% na atividade turística. A conclusão é que basta um estímulo mínimo e um pouco de atenção para que o Turismo consiga desenvolver o seu papel na economia do País.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s