Comunicado aos associados

Prezado amigo,

Estamos praticamente no segundo mês do ano e, como você já sabe, 2013 começou com uma série de mudanças na Aviesp. Como sucessor de nosso estimado William Périco, darei continuidade ao belíssimo trabalho que ele realizou e, durante toda a minha gestão, me basearei em uma palavra de cinco letras: UNIÃO. Acredito que seja de extrema importância que todos nós, diretores e associados, falemos a mesma língua e que estejamos todos a par desta nova realidade da qual faz parte a nossa associação.

Por este motivo, faço questão de apresentar a você os meus colegas de trabalho, que, junto comigo, se empenharão para transformar a Aviesp em uma entidade ainda mais reconhecida na indústria de viagens brasileira.

Diretoria Executiva

– Presidente: Marcelo Gomes Matera – ABC Turismo (Taubaté) – (12) 2123-5777

– Vice-presidente: Fernando Silva Santos – Conexão Brasil (Ribeirão Preto) – (16) 3632-9775;

– Secretário: Sebastião Pereira Martins – Discover Tours (São José do Rio Preto) – (17) 3214-6462;

– Tesoureiro: Daniel Biancareli – Sonho Real (Americana) – (19) 3405-3368; 

Conselho Deliberativo

Principais atividades: fiscalizar as ações da diretoria, averiguar irregularidades e avaliar a política de administração da entidade.

– Presidente: Marcos Antônio de Carvalho Lucas – Vencestur (Presidente Prudente) – (18) 3221-3777);

– Secretário: José Roberto Pitol – Pitoltur (Santa Cruz do Rio Pardo) – (14) 3372-2273; 

Antonio Carlos Faria Accari – Village Turismo (Franca) – (16) 3723-2111;

– Ivan Pessini Rodrigues – Interglobe Turismo (Jundiaí) – (11) 4586-2121

– Cristiane Rosa Bueno Lopes – Nani Viagens (Pirassununga) – (19) 3562-4067

– Orlando Pereira dos Santos – Orla Turismo (Santos) – (13) 3219-6614;

– Mariana Périco Torres – Wingstur (Rio Claro) – (19) 3522-3500;

– Marcelo Neder Gatti – G. Tour (Itu) – (11) 4025-3030;

– Marcela Candioto – Dauras Turismo (Limeira) – (19) 3404-8494;

– Francisco Eduardo Spotti Varella – Link Rio Preto (São José do Rio Preto) – (17) 3233-4448;

– Carolina Mezzalira de Carvalho – Freeport Turismo (Campinas) – (19) 3237-3337;

– Luiz Carlos Gonçalves Junior – Hangar Travel (Bauru) – (14) 3879-2322

Suplentes

– Gislaine Ghiro da Costa – Travel Time (Araçatuba) – (18) 3609-1020;

– João Ricardo Rampone – Uirapuru Turismo (São Carlos) – (16) 3371-4459;

Conselho Fiscal

Principais atividades: análise do balanço anual de contas e elaboração de relatórios e pareceres;

– Verônica Massi Bueno – Viva Turismo (Mogi Mirim) – (19) 3806-3414;

– Roselene de Fátima Pinheiro – Ambar Turismo (Itu) – (11) 4022-2767;

– Shigeo Shimabukuro – Gross Turismo (Tupã) – (14) 3441-3535;

Suplentes

– Sergio Volpe – Travel Time (Birigui) – (18) 3643-3810;

– Alexandra Caprioli dos Santos Fontolan – Caprioli Turismo (Campinas) – (19) 3232-7888;

– Álvaro Tunis Soares – Overseas Travel (Sorocaba) – (15) 2101-8558

Agora que você já conhece toda a chapa que me acompanhará até 2015, não hesite em procurar os diretores que atuam na região em que você está localizado. Deste modo, o encaminhamento será mais rápido e, assim, conseguimos melhor distribuir as demandas. Fique à vontade, ainda, para entrar em contato com a equipe técnica e a diretoria da entidade por meio do e-mail equipe@aviesp.org.br e, com a presidência, através do presidencia@aviesp.org.br.

Além de sermos parte de uma mesma família, todos os diretores da Aviesp são agentes de viagens, o que significa que os seus obstáculos, precisam ser também superados por nós. Apenas deste modo conseguiremos fortalecer a classe e, consequentemente, o mercado por inteiro.

Conte sempre conosco!

Grande abraço,

Marcelo Matera

Presidente da AVIESP – Associação das Agências de Viagens Independentes do Interior do Estado de São Paulo

O que fazer para aumentar as garantias das agências?

Publicação minha de hoje junto ao meu outro blog Previndo junto ao Portal Panrotas:


Caros, boa tarde!

Mais uma Operadora, agora a Tia Augusta, que comunica o encerramento de suas atividades…

Aguardemos os ‘números’ dos possíveis envolvidos, paxs, com viagens programadas que neste momento devem estar em estado de choque, tentando assimilar o que ocorreu, e principalmente o que ocorrerá!

E o mesmo, com todas as agências que intermediaram viagens junto à operadora, e como sempre, estão na linha de frente com a obrigação de resolver o ‘pepino’ para os seus clientes.

Até quando paxs e intermediários viverão neste clima de insegurança quando da oferta e aquisição de viagens?

Será uma questão natural um filtro no segmento com pouquíssimos fornecedores, que terão todo o mercado em suas mãos, mas que pelo menos transpareçam solidez, liquidez, patrimônio a garantir a ocorrência e prestação de todos serviços adquiridos? Será, ou mesmo com estas, a possibilidade de ‘surpresas’ também existe?

Será que fica claro ao mercado, ao segmento, a importância da avaliação de produtos como os seguros de responsabilidade civil e ao Governo a pertinência e até prudência da existência de Fundos Garantidores a gerarem transparência e segurança tanto a fornecedores quanto aos próprios consumidores?

E agora? Vejam um questionamento que me foi apresentado hoje: “comprar em agência física gera serviço de consultoria, pessoal e qualificado, mas e a incerteza se os fornecedores ofertados honrarão os serviços? E se eu comprar em uma agência virtual, se der problema, pelo menos existe uma bandeira forte estampada, como Submarino ou Decolar, que tem ‘bala na agulha’, sem contar que estão se aperfeiçoando cada vez mais no segmento!”

Indiscutível a necessidade e qualidade das agências de turismo de nosso país! Indispensáveis! Então o caminho é como melhor garantir a tranquilidade de seus serviços, de seus negócios, de seus clientes principalmente!

Para inaugurar dezembro e a temporada! “

Personalidade do Turismo 2012

Aéreas argentinas cancelam voos no Brasil

Anac está monitorando a prestação de assistência aos passageiros com voos afetados pelas empresas aéreas argentinas Aerolíneas Argentinas e Austral. As companhias cancelaram todos os voos do Brasil para aArgentina e daquele país para o Brasil por causa da greve no serviço público argentino, estendida às duas empresas aéreas, que são estatais.

Anac notificou as empresas, que terão cinco dias para comprovar os procedimentos adotados em relação aos passageiros. A falta de assistência pode gerar multa de até R$ 980 mil por voo.

Aerolíneas tem voos com partida dos aeroportos do Galeão (RJ), de Guarulhos (SP) e do Salgado Filho (RS), enquanto a Austral, membro do grupo da Aerolíneas, tem voos com partida do Galeão e de Guarulhos. “As companhias deverão prestar assistência integral, prevista na Resolução n° 141/2010 aos passageiros que estejam em solo brasileiro afetados pela greve das empresas. Para os que estão em solo argentino, valem as regras daquele país”, diz comunicado da empresa. Os passageiros que não se sentirem contemplados em seus direitos devem recorrer à Anac por meio da central de atendimento telefônico gratuito, que funciona 24h com atendimento em português, inglês e espanhol (0800-725-4445).

Nos casos de cancelamento, a empresa deve oferecer opções aos usuários: o reembolso do valor integral da passagem, incluídas todas as taxas e nas mesmas condições em que o bilhete foi adquirido; a remarcação para outra data, em acordo com o passageiro, sem custos; a reacomodação em outro voo da companhia ou de outra companhia, ou locomoção por outra modalidade de transporte, quando for possível.

Nos casos de atraso, cancelamento ou interrupção de voo, o transportador deverá assegurar ao passageiro que comparecer para o embarque o direito a receber assistência material, com vistas a satisfazer as necessidades imediatas dos passageiros e condizentes com o tempo de espera: direito à comunicação a partir de uma hora de atraso, direito à alimentação a partir de duas horas de atraso e direito à acomodação em local adequado a partir de quatro horas de atraso ou direito a traslado (quando o passageiro estiver na localidade de origem) e/ou quando a origem da viagem é a cidade de residência do passageiro.

Fonte: Panrotas

A festa das compras coletivas acabou?

A febre dos sites de compras coletivas passou mais rápido do que se imaginava. Agora, Groupon, Peixe Urbano e ClickOn precisam correr para se reinventar

São Paulo – Em seus pouco mais de 20 anos de vida, a internet já tem uma longa lista de modismos, daquele tipo que chega para mudar “a maneira como pensamos e agimos” e, tempos depois, ninguém mais nem lembra que existiu. Quem se recorda do Second Life, uma proposta de mundo virtual onde os “habitantes” podiam assumir a personalidade que desejassem e montar seus negócios?

No atual mundo da internet, as maiores candidatas a encorpar essa lista são as empresas de compras coletivas. Elas nasceram com o propósito de oferecer descontos em serviços e produtos a grupos de compradores e, adivinhe!, mudar a maneira como compramos…

Mas os sinais hoje são de fim de festa. Nos últimos seis meses, mais de 20% dos sites de compras coletivas no Brasil fecharam as portas — eram 1 050 e hoje são 800.

Nem os líderes desse mercado foram poupados. O americano Groupon, número 1 no Brasil, é uma das 20 empresas que mais recebem queixas no Procon de São Paulo e a segunda no site Reclame Aqui. O Peixe Urbano, empresa com sede no Rio de Janeiro e a segunda maior do mercado, demitiu 200 funcionários — de um total de 1 000 — desde julho.

O ClickOn, de São Paulo, a terceira maior força, saiu de metade das mais de 40 cidades em que atuava. Depois de o faturamento total desses sites no país ter subido 570% entre 2010 e 2011, os resultados do primeiro semestre de 2012 decepcionaram.

No período, o total de vendas foi de 730 milhões de reais, apenas 2% a mais que na primeira metade de 2011, de acordo com estudo da consultoria de varejo online e-bit. No mesmo período, o comércio eletrônico como um todo avançou 20%.

O setor de compras coletivas parece ter entrado em um círculo vicioso. Como o número de cupons vendidos caiu nos últimos meses, algumas empresas aumentaram a comissão que cobram dos lojistas. Os comerciantes, para compensar a elevação das comissões, passaram a oferecer serviços de qualidade inferior aos clientes.

O resultado disso tudo tem sido a insatisfação dos consumidores, que passaram a comprar menos cupons. Casos como o do empresário mineiro Fernando Bernini, diretor da rede de salões de beleza Socila, em Belo Horizonte, tornaram-se comuns. No início de 2011, no auge da febre, as promoções da Socila esgotavam 2 000 cupons em poucas horas.

Há quatro meses, a última oferta que o salão fez levou três dias para vender meros 100 cupons. “O negócio de compras coletivas não se sustenta se os comerciantes acharem que estão dando mais que recebendo”, diz o americano Ken Sena, analista do banco de investimento Evercore Equities, de Nova York.

O fim da lua de mel entre consumidores, lojistas e empresas de compras coletivas é um fenômeno mundial. No último trimestre, o Groupon apresentou queda de 5% em suas vendas globais. Hoje, seu valor de mercado na Nasdaq, a bolsa de valores das empresas de tecnologia, é um quarto dos 13 bilhões de dólares que alcançou ao estrear no mercado de ações em novembro de 2011.

Com um modelo de negócios que periga se esgotar, o jeito tem sido mudar. Novos serviços do Groupon começarão a ser lançados globalmente antes do fim do ano. A empresa está usando sua estrutura de 11 000 funcionários em 48 países para desenvolver um sistema online de gestão para o varejo.

O público-alvo são os donos de pequenas empresas. A atração das ferramentas de gestão é a promessa de aumentar a retenção de clientes, criar um sistema de reservas e administrar estoques. “Os benefícios que a internet trouxe às companhias estão ainda concentrados nas grandes redes”, diz Patrick Schmidt, vice-presidente do Groupon para a América Latina. “Nosso objetivo é estendê-los ao restaurante da esquina”, diz.

Enquanto isso, no Brasil…

No início do ano, o Peixe Urbano colocou em marcha seu processo de diversificação, numa linha completamente diferente da planejada pelo Groupon. Em fevereiro, comprou o Zuppa, site que permite fazer reservas online em restaurantes.

Se alguém ainda estava em dúvida sobre a intenção da empresa de aumentar as fontes de receita, o Peixe Urbano adquiriu em março um site especializado em entregas de comida chamado O Entregador, hoje presente em cerca de cinco cidades de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Até o final do ano, lançará um guia de serviços, com base em sua lista de parceiros, que incluirá bares, hotéis e restaurantes. “Nossa meta é que o usuário possa encontrar a comida ou o entretenimento que quiser já com a avaliação de nossa equipe”, diz Julio Vasconcellos, presidente do Peixe Urbano.

Entre os três líderes do mercado brasileiro, o ClickOn é o que parece mais disposto a continuar investindo no modelo de compras coletivas — na interpretação de parte dos analistas, a principal causa dessa decisão é a falta de apetite para aquisições. “Continuamos querendo virar uma referência de serviços mais baratos”, diz Guilherme Ribenboim, que saiu da presidência do Yahoo! na América Latina no ano passado para chefiar o ClickOn.

Hoje, o site publica cupons de desconto aleatoriamente. Até o final do ano, o plano é ampliar as seções fixas de desconto para teatro, bares e restaurantes. Desde junho, o site está aproveitando sua alta audiência para vender espaço publicitário no portal.

Por enquanto, ainda é cedo para avaliar quem entre os executivos das três principais empresas de compras coletivas está certo no diagnóstico do mercado e nas alternativas mais apropriadas para seus negócios — quem vai conseguir escapar da lista de esquecimento da internet e quem já está a caminho da Second Life.

Fonte: Exame – paginas 168-170

Turismo Week – Agências habilitadas no interior de SP – ENCERRADO

Associadas à Aviesp comercializarão pacotes com até 50% de desconto

A Turismo Week é uma iniciativa inédita do turismo brasileiro, organizado pelas operadoras associadas às Braztoa, com o intuito claro de possibilitar maior volume de vendas dos períodos de baixa ocupação com descontos que chegam a 50% do valor normal.

Nesta iniciativa, apenas agências de viagens podem comercializar e somente pacotes completos podem ser comercializados.

Veja a lista dos associados Aviesp que podem comercializar pacotes da  Turismo Week

Valter Patriani confirma e integra lista dos palestrantes do Seminário Aviesp

Empresário apresentará aos agentes sua experiência de sucesso como vendedor de viagens.

Seminário Aviesp já tem confirmada a presença de Valter Patriani para sua quinta edição. O executivo, que integrou a equipe da CVC por 34 anos, falará aos participantes sobre a importância de as agências de viagens terem lojas físicas, sem, contudo, deixarem de lado a utilização da internet.

Patriani visa mostrar aos profissionais do trade que a internet não deve ser encarada como inimiga, representando não apenas um território a ser explorado pelo setor como um todo, mas, ainda, a facilidade com que disponibiliza ferramentas gratuitas que trazem consigo significativas oportunidades de negócios para os agentes.

A palestra será mais uma linha de trabalho da Aviesp de explicar aos agentes, sejam eles associados ou não à entidade, o verdadeiro alcance da internet, ferramenta com potencial para alavancar todo o setor.

O Seminário Aviesp reunirá alguns dos maiores nomes do turismo nacional em prol da qualificação e da capacitação do mercado. O evento acontecerá no dia 13 de novembro e terá espaço no Royal Palm Plaza, em Campinas (SP).