Expositor, faça sua avaliação da Aviestur até o dia 31!

Prezado expositor, queremos ter suas impressões sobre a 36ª edição da Feira de Turismo do Estado de São Paulo! Está disponibilizada no link http://migre.me/eLpcq a pesquisa que, em poucos minutos, coleta sua opinião sobre a realização do evento. A participação é feita até esta sexta-feira, dia 31 de maio.

A 36ª Aviestur apresentou 15% de crescimento de público em relação a 2012. Pela primeira vez foi realizada em Holambra, Região de Campinas, e superou as expectativas reunindo 4,2 mil profissionais de turismo. Os visitantes e participantes vieram de 300 localidades brasileiras. Do total, 2,7 mil correspondem aos agentes de viagens.

O objetivo da análise virtual do expositor é colher elementos importantes que ajudarão na organização do próximo evento. Para isso, é preciso que a Aviesp tenha opiniões técnicas diretamente de quem ajuda a fazer o evento.

“Estamos muito satisfeitos com o resultado desta edição. Tivemos grande aceitação e aprovação dos expositores. Empresas significativas do mercado afirmaram que importantes negociações foram realizadas durante o evento. Diante deste cenário, já recebemos a confirmação de muitos expositores para a 37ª Aviestur, em 2014”, afirma Marcelo Matera, presidente da Aviesp.

Temporada brasileira de cruzeiros movimentou 732 mil pessoas

Fonte: UOL Viagem

Um total de 732.163 pessoas viajou nos transatlânticos que fizeram temporada no Brasil entre 2012 e 2013, informou a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar). Ao todo, foram 280 atracações em 19 portos nacionais ao longo de quase seis meses.

De acordo com a entidade, o número de viajantes transportados é 9% menor que o registrado em 2011/2012, quando navegaram pelo litoral do país 805.189 passageiros.

Uma das causas para esse decréscimo de público, segundo a Abremar, foi a diminuição da quantidade de navios que têm realizado temporada no Brasil nos últimos anos: foram 17 transatlânticos em 2011/2012 e apenas 15 embarcações em 2012/2013.

Para o próximo verão, a queda da oferta deve continuar. Recentemente, a Abremar informou que apenas 12 ou 13 transatlânticos irão fazer temporada no país entre 2013 e 2014. O motivo seira o alto custo de operação no Brasil.

Hoje, os portos mais caros do país para a praticagem são Salvador (109.707,80 dólares por cada entrada e saída de navio), Santos (44.799,00 dólares), Ilhabela (37.675,00 dólares) e Rio de Janeiro (23.602,00 dólares). Atracar na cidade santista, por exemplo, chega a ser 1080% mais caro do que entrar com um navio no porto de Barcelona, na Espanha.

Busca por hotéis cresce, diz pesquisa

Conforme pesquisa do portal TripAdvisor, os cinco mercados globais com maior número de viajantes que buscam acomodações brasileiras no site são: Brasil, Argentina, Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

Entre março de 2012 e março de 2013, os brasileiros representaram mais de 70% do tráfego nas páginas de acomodações brasileiras dentro do site TripAdvisor. Os mercados que apresentam maior crescimento na procura por acomodações brasileiras no portal são: Canadá (21%), Portugal (19%) e Uruguai (16%).

“No total, o interesse por acomodações brasileiras no TripAdvisor aumentou mais de 50% no último ano, confirmando que o país é um destino de interesse para viajantes em todo mundo”, explica o diretor comercial, Sam Thompson. Para ele, a Copa do Mundo atrai buscas.

Hóspedes assumem que levam artigos do empreendimento para casa

Fonte: UOL Viagem

Uma pesquisa indica que quase 20% dos brasileiros admitem já ter furtado algo de algum hotel em que estiveram hospedados. A pesquisa foi feita pelo site Hotels.com e ouviu 8,6 mil turistas de 29 nacionalidades.

Os dinamarqueses ficaram em primeiro lugar no ranking dos honestos – apenas 12% disseram já ter roubado algo de um hotel. Em segundo e terceiro lugares no ranking vêm Holanda (15%) e Noruega (16%), respectivamente.

O Brasil ficou em quarto lugar, juntamente com Canadá e Hong Kong – 19% admitiram ter levado objetos para casa.  Trata-se do melhor índice entre os latino-americanos. A Argentina, segunda colocada da região, ficou em 11º lugar, com 23% dos entrevistados admitindo furtos em hotéis.

Os menos “honestos” – ou talvez os mais dispostos a admitir o crime – foram os colombianos (57% já levou algo que não deveriam do seu hotel). O segundo pior resultado foi o dos mexicanos – 40% admitiram algum furto. E o terceiro pior o dos indianos – 38% disseram já ter roubado.

A pesquisa mede somente a porcentagem dos que “admitem” a infração. E, embora haja sigilo sobre a identidade dos entrevistados, não há como garantir que eles estão falando a verdade. Um turista que seja tão “desonesto” a ponto de não só roubar hotéis, mas também minta ocultando tais furtos, terminaria sendo classificado como “honesto” no Hotels.com.

Entre os itens mais roubados, segundo o site, estariam revistas, livros, toalhas e lençóis. Os chineses “desonestos” destoariam um pouco dos contraventores de outras nacionalidades – eles prefeririam roubar objetos de decoração, como abajures e relógios.